Moçambicanos investem em casas melhoradas PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Ordem   
Segunda, 11 Agosto 2014 00:00

Eng Seco Os dados foram tornados públicos no decurso da Assembleia geral da Ordem dos Engenheiros de Moçambique subordinada ao tema "Infra-estruturas no Planeamento Urbano", inserida nas comemorações dos 10 anos da Organização.

 

 

Cidadãos residentes nos subúrbios de Maputo investiram cerca de um bilião de dólares Americanos na construção de casas melhoradas em menos de 35 anos.

 

Excertos de depoimentos dos painelistas

"Vamos tentar fazer planeamento básico já, ou seja, tentar fazer estas projecções, com uma margem de erro significativa, mas termos a noção para onde é que vamos, nos próximos 30 anos, e com base nisso vamos reservar espaços que vão ser necessarios e não vão ser usados agora. Vamos precisar de muito mais estradas primárias de grande dimensão. O que me preocupa é que a Cidade vai crescer aceleradamente e não vai ter dinheiro para fazer todas essas estradas nos próximos anos".

Álvaro Seco - Engenheiro


"A fraca oferta dos serviços essencias como transporte e comércio, o contributo para a reprodução da informalidade destes domínios, com a criação dos sistemas de transporte marcados pela influência e ineficâcia dos transportes públicos, que conduzem ao excesso do uso de transporte individual e carência nos lugares de estacionamento, são aspectos que não olham para o bem estar das pessoas".

Luis Alage - Arquitecto

 

 

Eng Sousa"Precisamos de melhorar a coordenação entre as várias instituições, precisamos de ter uma espécie de Centros de Coordenação, onde se alguém quer construir uma Estrada ou outra infra-estrutura pode ir buscar a informação (...). Há um investimento de 250 milhões de dólares Americanos para a Cidade de Maputo, em que precisamos de fazer escavações. Ocorreu-nos que tínhamos que saber de outras empresas se havia trabalhos paralelos. Por falta de uma entidade de coordenação, fomos obrigados a ter que falar com as empresas".

Eng. António Sousa Fernando - Bastonário

 

Eng White"A cobertura da rede de saneamento é muito baixa e cresce muito pouco. O Projecto prévio das drenagens deve ser um forte requisito do Planeamento urbano, o que infelizmente não tem sido até agora. É um grande desafio, porque o que fazemos é permitir que os Conselhos municipais façam parcelamentos nos terrenos e não se faz um investimento nas infra-estruturas de suporte necessário, e o resultado é o que vemos".

Roberto White - Engenheiro


"Os munícipes tendem a dizer que querem mais contentores mas, por causa da deficiente recolha de resíduos sólidos, ninguém quer os contentores à frente das suas casas. Essa é uma questão que devemos reflector. É que o processo da recolha de resíduos sólidos deve ser feito de forma participative. A não observância por parte dos munícipes dos horários de depósito de lixo acaba influenciando na deficiência da recolha de lixo".

Arsénio Banze - Engenheiro

 

OrdEM Jornal

Actualizado em Segunda, 01 Setembro 2014 10:46